PORTUGAL SERÁ� MELHOR

  • - se a casa de Aristides de Sousa Mendes fôr reconstruída para um projecto ligado com a sua vida
  • - se houver mais locais para pôr as mãos na massa
  • - se cada um de nós Ler +
  • - se cada um de nós respeitar os passeios como lugar de trânsito dos peões, sobretudo dos que têm menos mobilidade
  • - se for mandado para as urtigas o princí­pio, muito vulgarizado: Tudo pelos amigos, nada pelos inimigos. Aos outros aplica-se a lei. É mais simples e justo se a todos se aplicar a lei.

POR UM JORNALISMO MELHOR

Recentes

Ligações


  • Get Firefox!

sexta-feira, março 06, 2009

EM DESTAQUE NO PÚBLICO

Erros meus
Miguel Esteves Cardoso Ainda ontem

Perdi por um dia o aniversário do PÚBLICO mas prefiro dar-lhe os parabéns hoje, pela edição de ontem. Sobretudo pelo esplêndido catálogo de asneiras assinado por Luís Francisco no P2. Nada satisfaz como o disparate alheio. Por muito que se cultive a britânica autodepreciação, fica sempre uma vergonha corrosiva cá dentro por cada atoarda da nossa autoria. Eu cá estampei-me duas vezes na primeira página de O Independente com tal aparato que ainda hoje não consigo achar-lhes graça, tal as trago estampadas na minha alma. A pior, depois do incêndio do Chiado, foi quando evoquei, armado em historiador a sério, o magnífico exemplo de reconstrução após o sismo de 1980 dado pelo povo da heróica cidade de Ponta Delgada.
Recebi centenas de cartas e telefonemas, cada uma das quais uma facada, nenhuma delas injusta, pela proeza de ter sido o único a conseguir ofender a Angra do Heroísmo por causa daquela tragédia.
A outra, filha do diabo do jornalismo - a falta de notícias - foi ter adivinhado que na sexta-feira de Julho em que sairia o jornal, por causa da onda de calor e de dois incêndios na véspera, iriam deflagrar muitos mais. "Portugal consumido pelas chamas" era a manchete gigantesca, por baixo duma foto crucial de uma chama.
Nessa sexta-feira começou a chover em cascata às quatro da manhã e só parou no domingo. A imagem das pilhas de O Independente encharcadas, com aquela primeira página a dissolver-se sob as bátegas, ainda reaparece nos meus pesadelos.