PORTUGAL SERÁ� MELHOR

  • - se a casa de Aristides de Sousa Mendes fôr reconstruída para um projecto ligado com a sua vida
  • - se houver mais locais para pôr as mãos na massa
  • - se cada um de nós Ler +
  • - se cada um de nós respeitar os passeios como lugar de trânsito dos peões, sobretudo dos que têm menos mobilidade
  • - se for mandado para as urtigas o princí­pio, muito vulgarizado: Tudo pelos amigos, nada pelos inimigos. Aos outros aplica-se a lei. É mais simples e justo se a todos se aplicar a lei.

POR UM JORNALISMO MELHOR

Recentes

Ligações


  • Get Firefox!

quarta-feira, julho 04, 2007

CENTROS COMERCIAIS+TEMPOS LIVRES

Cinco milhões passeiam nos centros comerciais
Segundo os resultados de 2006 do estudo Consumidor da Marktest, mais de cinco milhões de residentes no Continente dizem frequentar centros comerciais nos seus tempos livres.
Marktest.com, 3 de Julho de 2007

Em 2006, o Consumidor contabiliza 5 332 mil indivíduos que dizem ir a centros comerciais nos seus tempos livres, um número que representa 64.2% do universo composto pelos residentes no Continente com 15 e mais anos.

Este hábito é mais ou menos comum a todos os grupos demográficos, sendo no entanto ao nível da idade e da ocupação que se encontram maiores diferenças de comportamento.

Os jovens dos 15 aos 17 anos e os estudantes são os que mais dizem ter o hábito de frequentar centros comerciais nos seus tempos livres, 83.9% e 76.3%, respectivamente.

Entre os 18 e os 44 anos também se registam valores superiores à média, sendo os mais idosos os menos adeptos desta prática.

As mulheres têm uma taxa superior à dos homens: 65.9% e 62.2%, respectivamente.

Entre as regiões, observam-se diferenças pouco significativas, sendo contudo na Grande Lisboa que a probabilidade de encontrarmos frequentadores de centros comerciais é maior: 69.6%. O Grande Porto, com 66.1%, e o Litoral Centro, com 65.8%, também apresentam um valor acima da média do Continente.

Entre as ocupações são observadas maiores diferenças, com os estudantes a destacar-se: 76.3% deles dizem frequentar estes centros nos tempos livres. Contrariamente, os reformados e as domésticas distanciam-se da média, com 54.8% e 58.0%, respectivamente. Os quadros médios e superiores e os técnicos especializados e pequenos proprietários também evidenciam um valor abaixo da média do Continente: 61.6% e 63.4%, respectivamente.

Esta análise foi realizada com base nos resultados do estudo Consumidor da Marktest. Contacte-nos para mais informações sobre este assunto.

03 Julho 2007

A Marktest.com autoriza a reprodução desta notícia nos meios de comunicação social desde que indicada a fonte: Marktest.com e outras fontes por ela citadas