PORTUGAL SERÁ� MELHOR

  • - se a casa de Aristides de Sousa Mendes fôr reconstruída para um projecto ligado com a sua vida
  • - se houver mais locais para pôr as mãos na massa
  • - se cada um de nós Ler +
  • - se cada um de nós respeitar os passeios como lugar de trânsito dos peões, sobretudo dos que têm menos mobilidade
  • - se for mandado para as urtigas o princí­pio, muito vulgarizado: Tudo pelos amigos, nada pelos inimigos. Aos outros aplica-se a lei. É mais simples e justo se a todos se aplicar a lei.

POR UM JORNALISMO MELHOR

Recentes

Arquivos

Ligações


  • Get Firefox!

segunda-feira, julho 30, 2007

OS MEDIA E NÓS

O Provedor do DN escreve sobre os islamitas e a necessidade do qualificativo “radicais” ou “extremistas”.

domingo, julho 29, 2007

OS MEDIA E NÓS

" Confiança do público na BBC cai a pique

A maioria dos britânicos (57%) diz que confia menos na BBC do que anteriormente, revela uma sondagem do jornal The Guardian. Em causa está o recente escândalo da fraude em sete concursos telefónicos da estação pública britânica, que admitiu ter dado prémios a falsos vencedores em sete concursos. Agora, o canal está a definir novas políticas editoriais e novos standards para guiar a estação.

(...) A preocupação do público com a veracidade do que é mostrado no ecrã ultrapassa a BBC. Larga maioria dos questionados (74%) concorda que muitos dos conteúdos mostrados na televisão são falsos, mesmo quando parecem reais. Apenas 22% dos telespectadores dizem acreditar no que vêem. Mesmo assim, os britânicos preferem saber a verdade."

No DN , de hoje

Em parte, este problema é insolúvel, pois mesmo quando parecem reais e não são falsos, os conteúdos não coincidem inteiramente com a realidade. Neste sentido são "falsos", mesmo quando não são falsos.

sábado, julho 21, 2007

OS MEDIA E NÓS

Communicating Climate Change: Discourses, Mediations and Perceptions

Poderia também ser classificada nas imagens, sobretudo pela tónica nas mediações e nas percepções.

terça-feira, julho 17, 2007

OS MEDIA E NÓS

CNN e Michael Moore têm um conflito sobre a informação da CNN relativa ao último filme do documentarista.

Lisbon Underground Music Ensemble - Free Style Boogie

segunda-feira, julho 16, 2007

SARAMAGO

O prémio Nobel da Literatura merece consideração mundial por aquilo que escreveu nos livros. Não somos obrigados a prestar reverência a todos os disparates que vai acumulando na vida pública.

sábado, julho 14, 2007

A LER

o artigo de hoje de Manuel de Matos Fernandes, sobre um Museu no Terreiro do Paço.

"Este projecto, construído com inteligência e ambição, pode ser O Museu planetário que nos falta.
O que ele poderia contribuir para a imagem que os portugueses têm de si próprios e para aquela que os milhões que anualmente nos visitam vão guradar é inestimável. E a influência que essa outra imagem pode ter no nosso futuro ainda mais."


Trata-se de uma ideia bem construída e justificada.

Parabéns ao Expresso e ao seu autor, professor na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.

No Expresso.

sexta-feira, julho 13, 2007

1001 RAZÕES PARA GOSTAR DE PORTUGAL

1 D. Afonso Henriques e todos aqueles que, desde o século XII, batalharam para para preservar a independência de Portugal.

quinta-feira, julho 12, 2007

Vá.Vá.Diando










Desta vez no Vá.Vá.Diando esteve presente Eurico Gonçalves que explicou as suas raízes surrealistas e zen.

terça-feira, julho 10, 2007

1001 RAZÕES PARA GOSTAR DE PORTUGAL

A Associação dos Cidadãos Auto-Mobilizados, que batalha pela segurança rodoviária.

Nº 666 no livro.

FALAR+IMAGENS+LIVROS+BLOGUES+OUTROS TEMPOS

FALAR DE....
Os debates da Livraria Almedina vão ter um titulo genérico novo: Falar de...
Sempre às 19 h, na Livraria Almedina
Atrium Saldanha Loja 71 – 2º Piso Tel: 213 570 428

segunda-feira, julho 09, 2007

JAPAO+IMAGENS



Takashi Murakami

Takashi Murakami

Takashi Murakami


TakashiMurakami.com is a tribute to Takashi Murakami (b. 1963), one of the most thoughtful and thought-provoking Japanese artists of the 1990s. His work ranges from cartoony paintings to quasi-minimalist sculptures to giant inflatable balloons to performance events to factory-produced watches, T-shirts, and other products, many emblazoned with his signature character, Mr. DOB.

This site features an art gallery, a bookstore, a film library, several links of interest, and a shop.

Takashi Murakami was born in Tokyo in 1963 and received his BFA, MFA and PhD from the Tokyo National University of Fine Arts and Music. He has had recent solo shows at Marianne Boesky Gallery, New York (2003); Fondation Cartier pour l'art contemporain, Paris (2002); Museum of Contemporary Art, Tokyo (2001); Museum of Fine Arts, Boston (2001); and Galerie Emmanuel Perrotin, Paris (2001). [Read more...]

domingo, julho 08, 2007

TEATRO+ALMADA


HOMENAGEM a Carmen Dolores




sábado, julho 07, 2007

TEATRO+ALMADA

Começou o vai e vem entre Lisboa e Almada. A abertura foi no palco grande da Escola António Costa, um lugar que marcou e marcará o festival.

"A estupidez sonda os limites do conceito de argumento: a cadeia causal das cenas é tão complexa que estas se tornam inexplicáveis. Nas estradas poeirentas de Las Vegas, deparamo-nos com um cientista que descobriu a fórmula do Apocalipse e se recusa a revelá-la; dois peritos em Arte que assassinam uma deficiente com um candeeiro; um casal de polícias que vive um dilema amoroso, que passa pela compra de uns ténis Nike e o roubo de meio milhão de dólares; um empresário japonês que persegue um quadro que pertencia à sua família; etc. Sobre Rafael Spregelburd, o diário La Prensa salientou que “escreve obras que são ‘monumentos’, ou que poderiam definir-se como ‘objectos de colecção’”."

O primeiro espectáculo foi A Estupidez (a que se refere o excerto do programa), com texto de Rafael Spregelburd e representada por uma companhia argentina, El Patron Vasquez, de Buenos Aires. Não era preciso estar encartado como crítico teatral para perceber o vanguardismo das escolhas. Depois de duas horas de espectáculo fez-se um intervalo. E a sala de ar livre, de cheia, passou a quase vazia pela saída em massa. O espectáculo, acabou, ao que soube, perto das 2 horas da manhã. Não há vanguardismo que resista a mais de três horas de espectáculo, sobretudo se este se inicia perto das 10h da noite. Começar às 8 para acabar à meia noite seria mais adequado, penso. Não há teatro que resista a decisões desadequadas para os seus públicos.

Os outros espectáculos que pude ver deixaram o gosto de ver teatro. Living Costa Brava, do Cascai Teatre, de Girona é uma peça bem disposta, com um humor que fez aderir a sala. O trabalho inútil de alguns, taras e obsessões de outros, os que vieram dar uma dimensão alargada à Europa são alguns dos temas tratados num espírito por vezes à moda de Chaplin. Sizwe Banzi est mort mostra o rigor, criatividade e saber fazer de Peter Brook. Se quisesse mostrar a alguém em que consiste o trabalho de encenador, mostraria esta peça e cotejaria-a com o texto que lhe deu origem. Ontem foi a vez de Nada, ou o silêncio de Becket pelo Teatro de Marionetas do Porto. O talento deste grupo tornou-o espectáculo de honra deste ano. As referências na encenação são claras a Magritte e ao surrealismo. Lembrei também Topor.

PROVEDOR+IMPRENSA







Começou hoje o mandato do novo provedor do DN, Mário Bettencourt Resendes, a quem renovo votos de um mandato gratificante.
Na edição de ontem, foi publicada uma entrevista com o novo provedor.

quinta-feira, julho 05, 2007

RECEBIDO DO...

CES

quarta-feira, julho 04, 2007

CONGRESSO DA SOPCOM, 6 a 8 de Setembro

1001 RAZÔES PARA GOSTAR DE PORTUGAL

"Sérgio Mah nomeado comissário-geral da PHotoEspaña para os próximos três anos
04.07.2007, Alexandra Prado Coelho
Antigo director artístico da Bienal LisboaPhoto será a partir de 2008 o primeiro programador estrangeiro do festival de Madrid, a celebrar dez anos de existência

O português Sérgio Mah, antigo comissário-geral da Bienal LisboaPhoto, será, a partir de 2008, e durante três edições, o director artístico da PHotoEspaña, Festival Internacional de Fotografia e Artes Visuais, que decorre anualmente em Madrid e é um dos mais prestigiados festivais de fotografia europeus. É a primeira vez, nos seus dez anos de existência, que a PHotoEspaña convida um estrangeiro para comissário."

in Público, hoje

Há quem não se adapte à ideia de que uma parte de Portugal já não é o Portugal bafiento de antigamente. Mas todos os dias se pode ver isso em pequenos sinais, como este do reconhecimento de Sérgi0 Mah.

"Em termos de eventos que mantêm uma consistência programática, este é possivelmente o festival mais importante neste momento na Europa", diz Mah ao PÚBLICO.
A trabalhar já no programa para 2008, Sérgio Mah não revela por enquanto o tema escolhido, mas avança que as suas escolhas, em trabalhos de fotografia mas também de vídeo, terão a ver com uma lógica "interpretativa das questões importantes do mundo de hoje, em que a fotografia tem uma eficácia muito peculiar nessa interpretação da realidade". Uma marca do seu olhar que, refere, tem a ver com o que fez naquelas que foram as duas únicas edições da LisboaPhoto, em 2003 e 2005.
O seu contacto com o festival de Madrid começou em 2005, durante a segunda edição do LisboaPhoto, quando propôs ao comissário na al-
tura, Horácio Fernández, um projec-
to conjunto: cada festival (os dois decorriam simultaneamente) orga-
nizava uma exposição para ser mostrada no outro. No final, as duas ex-
posições, com trabalhos de fotógrafos portugueses e espanhóis e o título Empirismos, juntaram-se numa única, que foi exibida no Brasil.
A ideia de Sérgio Mah era que, a partir daí, "houvesse sempre uma exposição dedicada ao eixo ibérico", com ligação ao Brasil, mas a Lisboa-Photo não teve nova edição, o que im-
possibilitou que isso acontecesse. Mas, em 2006, Mah foi convidado pa-
ra comissariar uma das exposições do festival de Madrid e organizou uma antológica do fotógrafo norte-americano Joel Sternfeld. O convite para comissário-geral não surgiu, contudo, das equipas com quem colaborou em 2005 e 2006, mas da nova directora do PHotoEspaña, Claude Bussac.
Setecentos mil visitantes
Desde que nasceu, há dez anos, o festival de Madrid teve sempre um comissário para três edições. Este ano, o modelo mudou. Para celebrar a décima edição, a organização decidiu não ter comissário e apostar numa série de exposições de nomes mais conhecidos e com capacidade para atrair muito público - foi feita uma estimativa de 700 mil visitantes.
O 11º ano é o regresso ao modelo tradicional, com um comissário que porá a sua marca nas escolhas da programação. "Não me impuseram nenhum critério nem limitação", afirma Sérgio Mah. Mas, acrescenta, "num evento como este, é preciso dialogar com as instituições envolvidas, que têm tendências particulares". Por detrás da PHotoEspaña está uma instituição privada, La Fábrica, que colabora com várias outras grandes instituições espanholas, como o Museu Rainha Sofia, o Museu Thyssen-Bornemisza, o Círculo de Belas-Artes ou a Fundação Telefónica, e ainda com muitas das galerias da cidade. O trabalho do comissário é também, segundo Mah, encontrar os equilíbrios necessários entre todos estes parceiros.
Além disso, sublinha ainda o novo comissário-geral, é preciso ter em conta que "a questão do público é muito importante para a PHotoEspaña". Por isso, "há exposições em que tem que se jogar com uma certa amabilidade, porque há um público alargado que tem que ser seduzido". Mas Sérgio Mah não vê aí um problema porque, diz, "a função de um programador não é apenas seleccionar artistas e trabalhos do seu interesse, mas também respeitar uma certa cultura que o evento foi construindo ao longo dos anos".




CENTROS COMERCIAIS+TEMPOS LIVRES

Cinco milhões passeiam nos centros comerciais
Segundo os resultados de 2006 do estudo Consumidor da Marktest, mais de cinco milhões de residentes no Continente dizem frequentar centros comerciais nos seus tempos livres.
Marktest.com, 3 de Julho de 2007

Em 2006, o Consumidor contabiliza 5 332 mil indivíduos que dizem ir a centros comerciais nos seus tempos livres, um número que representa 64.2% do universo composto pelos residentes no Continente com 15 e mais anos.

Este hábito é mais ou menos comum a todos os grupos demográficos, sendo no entanto ao nível da idade e da ocupação que se encontram maiores diferenças de comportamento.

Os jovens dos 15 aos 17 anos e os estudantes são os que mais dizem ter o hábito de frequentar centros comerciais nos seus tempos livres, 83.9% e 76.3%, respectivamente.

Entre os 18 e os 44 anos também se registam valores superiores à média, sendo os mais idosos os menos adeptos desta prática.

As mulheres têm uma taxa superior à dos homens: 65.9% e 62.2%, respectivamente.

Entre as regiões, observam-se diferenças pouco significativas, sendo contudo na Grande Lisboa que a probabilidade de encontrarmos frequentadores de centros comerciais é maior: 69.6%. O Grande Porto, com 66.1%, e o Litoral Centro, com 65.8%, também apresentam um valor acima da média do Continente.

Entre as ocupações são observadas maiores diferenças, com os estudantes a destacar-se: 76.3% deles dizem frequentar estes centros nos tempos livres. Contrariamente, os reformados e as domésticas distanciam-se da média, com 54.8% e 58.0%, respectivamente. Os quadros médios e superiores e os técnicos especializados e pequenos proprietários também evidenciam um valor abaixo da média do Continente: 61.6% e 63.4%, respectivamente.

Esta análise foi realizada com base nos resultados do estudo Consumidor da Marktest. Contacte-nos para mais informações sobre este assunto.

03 Julho 2007

A Marktest.com autoriza a reprodução desta notícia nos meios de comunicação social desde que indicada a fonte: Marktest.com e outras fontes por ela citadas

terça-feira, julho 03, 2007

1001 RAZÕES PARA GOSTAR DE PORTUGAL


Vai começar, na 4a feira, o Festival de Teatro de Almada

O Rui (?) comentou: um dos orgulhos do teatro em Portugal. Mudei o título.

MILANO IS BURNING

1001 RAZÕES PARA GOSTAR DE PORTUGAL

"L'euro est au plus haut. Un ami américain se plaint : "Un café à Paris en terrasse, c'est 4 dollars." Oui, j'ai répondu, mais le plus incroyable, c'est que ça fait 3 euros."

Hoje, no Le Monde. Europa a duas velocidades?

O preço do café também está no livro.

domingo, julho 01, 2007

TEATRO+ALMADA....


Vai começar, na 4a feira, o Festival de Teatro de Almada