PORTUGAL SERÁ� MELHOR

  • - se a casa de Aristides de Sousa Mendes fôr reconstruída para um projecto ligado com a sua vida
  • - se houver mais locais para pôr as mãos na massa
  • - se cada um de nós Ler +
  • - se cada um de nós respeitar os passeios como lugar de trânsito dos peões, sobretudo dos que têm menos mobilidade
  • - se for mandado para as urtigas o princí­pio, muito vulgarizado: Tudo pelos amigos, nada pelos inimigos. Aos outros aplica-se a lei. É mais simples e justo se a todos se aplicar a lei.

POR UM JORNALISMO MELHOR

Recentes

Ligações


  • Get Firefox!

sábado, outubro 14, 2006

A FÁBRICA DO OLHAR

Capa do Livro A Fábrica do Olhar

In Sicard, Monique, A Fábrica do Olhar, Lisboa, Ediçoes 70, 2006
Capítulo III O Inventário Pierre Belon 1551
Albrecht Dürer, 1515

"Embora a quantidade dos textos impressos e das gravuras dê novo fôlego ao conhecimento científico, fixa paradoxalmente, por muitos anos, as lacunas da observação. O desenho, muito estruturado, do rinoceronte gravado sobre madeira por Albrecht Dürer em 1515 apresenta uma estranheza incontestável. As patas cobertas de escamas assemelham-se às de uma tartaruga. O animal que se diz capaz de vencer um elefante está munido – logicamente – de uma autêntica armadura. A gravura foi realizada sem que Dürer tivesse observado directamente o animal. No entanto, este já chegara sem novidade a Portugal, vindo das Índias. Mas foi logo a seguir enviado para Roma, pois o rei D. Manuel I de Portugal considerava-o presente digno de um papa. A viagem foi dramática. Ao navegar em direcção a Leão X, o navio, vítima de uma tempestade, afundou-se, levando consigo corpos e bens. O rinoceronte morreu afogado. Repescado, foi mais ou menos embalsamado. Apesar disso, Dürer não teve a oportunidade de o ver, nem vivo nem morto. Tomara conhecimento dele por intermédio de um esboço, que depois passou a desenho a pena antes de fazer uma gravura sobre madeira. A gravura teve um sucesso fulgurante. Produziram-se oito edições diferentes – sete das quais póstumas – a partir da madeira original. O Rinoceronte de Dürer foi copiado com as suas imperfeições, utilizado como referência até ao final do século XIX, quando os erros e as diferenças entre o desenho e o animal eram já perfeitamente conhecidos."