PORTUGAL SERÁ� MELHOR

  • - se a casa de Aristides de Sousa Mendes fôr reconstruída para um projecto ligado com a sua vida
  • - se houver mais locais para pôr as mãos na massa
  • - se cada um de nós Ler +
  • - se cada um de nós respeitar os passeios como lugar de trânsito dos peões, sobretudo dos que têm menos mobilidade
  • - se for mandado para as urtigas o princí­pio, muito vulgarizado: Tudo pelos amigos, nada pelos inimigos. Aos outros aplica-se a lei. É mais simples e justo se a todos se aplicar a lei.

POR UM JORNALISMO MELHOR

Recentes

Ligações


  • Get Firefox!

sexta-feira, setembro 08, 2006

FALAR DE IMAGENS no Indústria Culturais

Rogério Santos é uma presença habitual nos debates que tenho organizado. Além da participação no debate foi o primeiro a escrever, a meu conhecimento, sobre o Falar de Imagens. Ver Indústrias Culturais,
COLÓQUIO SOBRE ARQUIVOS DE IMAGENS

Decorreu ontem ao fim da tarde o primeiro encontro Falar de imagens, organizado por José Carlos Abrantes e livraria Almedina, em Lisboa. Foi uma conversa animada e interessante, dada a importância que os arquivos têm cada vez mais - e os de imagens em especial.

A primeira interveniente, Ana Machado, do Público, destacou a sua investigação jornalística recente (peça saída em Junho último). Dado que o seu trabalho incidiu sobre o arquivo da RTP, ela prometeu ir trabalhar proximamente sobre os arquivos das outras estações de televisão. A questão que deixou no colóquio foi: de que modo se pode maximizar o arquivo da RTP que contém 50 anos de memória?

O segundo interveniente foi o director do arquivo da RTP, Fernando Alexandre, que explicou os passos de migração dos arquivos para suportes actuais (vídeo completado até final deste ano e filme a completar em 2007) e digitalização dos suportes (em fase de avaliação). Para uma questão que atravessou todo o debate - o preço de acesso -, o responsável do canal público considera que haverá uma redução a partir do momento em que os arquivos estejam digitalizados.

Susana Sousa Dias, realizadora de Natureza morta (exibido este ano no cinema King e que aqui fiz referência), falou do acesso aos arquivos sob o ponto de vista do criador. Ela considerou que as políticas dos arquivos não são as mais adequadas. Criticou a inexistência de bases de dados e o preço do acesso. Já Estrela Serrano falou da sua experiência como investigadora (duas experiências com resultados distintos).

Do público, saliento as intervenções de José Manuel Costa (ANIM - Arquivo Nacional de Imagens em Movimento), de Acácio Barradas (jornalista) e de Eduardo Cintra Torres (crítico de televisão e investigador). Da grande ideia saída do colóquio, evidencio a necessidade de uma ampla discussão pública sobre a política dos arquivos.

Colocado por Rogério Santos at 9/08/2006 12:03:00 AM 0 Comentários